Por que as crianças mordem ?

POR QUE AS CRIANÇAS MORDEM?

A criança tem o seu primeiro contato com o mundo através da boca. Inicialmente pelo seio materno através da amamentação e em seguida por itens como: chupetas, mamadeiras, alimentos, brinquedos, etc. Diferentes texturas e sabores que proporcionam a ela prazer, sensação de saciedade e tranquilidade. Em razão dessa relação de prazer, a criança vai botando outras coisas na boca espontaneamente, como as mãos e os pés, brinquedos e tantos outros objetos. Em determinado momento, começa a direcionar a boca também a pessoas, na tentativa de conhecer e descobrir melhor o mundo que a cerca.  Nos primeiros três anos de idade, a criança encontra-se na fase oral, que segundo a Psicologia, é a fase do desenvolvimento da personalidade. Essa fase oral é dividida em duas etapas, a de sucção e a de mordida.

A criança que morde, na verdade, está procurando uma forma prazerosa de se expressar com o mundo, de se descobrir dentro dele. Através desse contato, aos poucos vai percebendo várias diferenças como doce e salgado, duro e mole…

shutterstock_24683023-300x300

Quando ocorre a mordida?

As mordidas acontecem em situações de insegurança, desconforto, medo e principalmente por ciúmes, defesa e desejo de atenção. Como a criança é muito pequena e não consegue administrar seus sentimentos, uma das formas de manifestar seu incômodo é através da mordida.

biting-child-300x225

Como a família pode ajudar?

Um grande problema que pode ocorrer entre as famílias, são brincadeiras usando a boca, dando pequenas mordidas nos mesmos. Essas atitudes não são erradas, mas podem confundir as crianças, que reportam para outras crianças as mesmas brincadeiras, porém podendo machucá-las, já que ainda não possuem domínio da força da mandíbula. As famílias devem se conscientizar que essas brincadeiras, apesar de demonstrarem um gesto de carinho, podem causar atitudes de agressividade na criança, que ainda não controla seus impulsos e emoções. Também é importante não incentivar tal ato com frases do tipo “Se te morderem, morde também!” ou “Cadê meu cachorrinho?”

Mother playing with baby girl outdoors

 

Qual o papel da escola?

O papel da escola é criar situações para estabelecer limites, mostrando para os alunos que devemos respeitar os amigos, tratá-los com carinho sinalizando que o amigo machucado fica triste, que chora por ter sentido dor e evitar situações facilitadoras como número reduzido de brinquedos de acordo com número de crianças (para evitar disputas). Ainda assim, ressalto que as disputas ocorrem pois faz parte do desenvolvimento da criança desta faixa etária.

A coerência entre os adultos é a melhor forma de suavizar esses pequenos conflitos. Por isso, procure a escola, converse conosco e peça orientação diante dessas situações “assustadoramente” naturais. Juntos iremos traçar metas para minimização desses episódios.

Aos poucos, as crianças vão apreendendo e descobrindo outras formas de sentir prazer e de se expressar. O bom convívio social, a brincadeira e a amizade são laços que se fortalecem e desenvolvem a cada dia.

images-1images

[box title=”Autor do Post” bg_color=”#cccccc” icon=”quote-left” icon_style=”border” icon_shape=”circle” align=”left”]Priscila Camacho É formada em Fonoaudiologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ (2011), especializada em Neurociências com ênfase em Reabilitação também pela UFRJ (2012) e Psicopedagoga pela A voz do Mestre/AVM (2014). Foi fonoaudióloga voluntária no Instituto Ann Sullivan, Organização não-governamental que atende a crianças e jovens portadores de necessidades especiais – Autismo e Deficiência Intelectual -realizando atendimento clínico e orientação familiar e escolar.(2012) Atuou como Mediadora Escolar, realizando a inclusão de crianças com Transtorno do Espectro Autista (2011 a 2014). Hoje, atua como Fonoaudióloga escolar na rede regular de ensino, realizando consultorias e cursos de capacitação profissional nas áreas de: Neurociências, Linguagem e Inclusão Escolar. Realiza atendimentos clínico à crianças portadoras de Transtornos do Neurodesenvolvimento, alterações de linguagem e dificuldades de aprendizagem.[/box]

Add your thoughts

Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On Instagram